quarta-feira, agosto 16, 2006

Quem é você?

“As pessoas não apenas têm a impressão de que as possibilidades de encontrar satisfação na vida são infinitas, como também são encorajadas a ser uma espécie de inventoras de si mesmas, isto é, elas são supostamente livres para escolherem quem querem ser. Mas, nessa sociedade altamente individualizada, que prioriza as liberdades individuais sobre as causas de um grupo, o indivíduo enfrenta um ansioso e provocante dilema: Quem eu sou para mim mesmo?” Renata Salecl em “Sobre a felicidade: ansiedade e consumo na era do hipercapitalismo”.

São tantas as possibilidades e as opções, tantos os estilos de vida ofertados, tantas as máscaras que usar e tantos os modelos em que se encaixar. Você, certamente, se interessa pelos mais variados assuntos e temas. E isto, de uma forma que não saberia explicar, lhe causa sensações opostas de angústia e euforia.
Hoje, por exemplo, qual o assunto que procura? O que está buscando? Notícias de lugares longínquos, de cidades da região, vizinhas, de outros planetas?
Talvez esteja interessado nos resultados dos jogos do final de semana. Uma receita de Chowder de Mariscos da Nova Inglaterra? Hum, sei. Está sim procurando, o que dizem os ensinamentos do Feng Shui, sobre a posição certa de colocar a cama e o espelho em relação à porta de seu quarto, e o efeito das cores das paredes sobre nossa saúde.
Talvez queira notícias sobre a queda da Nasdaq, o valor do Kwanza em relação ao dólar e a taxa de natalidade em Luanda. Poderíamos falar da safra da soja, da produção de girassóis em Holambra, da incipiente produção de biodiesel como combustível alternativo.
E se você for um velho senil, apenas interessado no valor do banho-tosa para o seu fiel companheiro? Aí talvez você também esteja interessado no destino dos seus sobrinhos-netos, filhos daquela sua paixão da juventude que sua avó proibiu por ter o inexorável defeito de ser seu primo de primeiro grau.
Desconfio que você seja um dentista procurando um curso de aperfeiçoamento em Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial. Desculpe, a essa hora você não está procurando nada que tenha a ver com sua profissão, quer apenas se distrair com qualquer porcaria como esta.
Pode ser que você esteja passeando pela europa, no melhor estilo mochilão, tenha parado num cyber café, se conectado ao “messenger”, todo animado para conversar com seus amigos que ficaram, contar da noite passada.
Pode ainda ser que você seja o amigo que não foi viajar, pois não tinha tempo, muito menos dinheiro, ficou aqui para trabalhar, ainda mais agora que você se apaixonou pela recepcionista. Há uma possibilidade, e a isso ninguém pode se contrapor, de que você seja o patrão deste último, porque é certo de que se ele ficou trabalhando é porque tem um patrão, e esse pode ser você, que está navegando pela internet, depois de mais uma discussão com aquele sócio com quem você tanto se empolgou no começo da sociedade, e que agora parece ser a pessoa no universo com a qual você menos tem afinidades, tanto profissionais como pessoais.
Talvez seja um dia chuvoso, e por qualquer motivo, ainda que o próprio fato de estar chovendo seja o motivo mais óbvio, não sabe bem por que não sente a mínima vontade de sair de casa.
Está procurando ler qualquer coisa mesmo, qualquer coisa que te sirva, não no sentido de utilidade prática, mas que te sirva nem que seja apenas no exato momento em que está lendo.
Está à procura de fotos de mulheres nuas, óbvio demais para uma pessoa tão interessante como você. Óbvio demais até para ser considerada uma tentativa, minimamente interessante. Desculpa!

8 comentários:

raquel disse...

Lindo, adorei! Digno de Estadão! Você devia usar essas ideias praquela sua peça. Acho q tem tudo a ver!

Priscila disse...

"...paixão da juventude que sua avó proibiu por ter o inexorável defeito de ser seu primo de primeiro grau." Conheço essa história!!
Barba,muito bom seu blog!Adorei!!deveria escrever pra Folha de São Paulo hehe
Até mais ;))
bjão
prima

Rick disse...

Mas não somos mesmo isso? Viajantes de lugar nenhum? Perdidos, irritados, confusos? Rindo para não chorar? Com medo de olhar no espelho e ver a imagem refletida? Barulhentos, barulhentos... pois o barulho não confunde a alma? Não somos nós isso tudo?

Paola Zeminian disse...

como se as buscas externas fossem sanar o vazio inevitável, e que não é bom nem mal, é vazio e não é tão assustador quanto parece, preencher com merda não vai mudar nada, não, é pior, vai só atrapalhar.

Gostei daqui, voltarei mais vezes.

Psicanálise,Filosofia e Educação- Prof. Marcelo disse...

Quem eu sou????
Simples

Inabrandável...

Marcelo

Fred Linardi disse...

Quem sou?? Não sei, mas tento. Talvez alguém disposto às sincronicidades da vida. Aquelas que fazem você sentir que está buscando um sentido para ela. Um dia antes de entrar aqui assisti ao filme "Quem somos nós" e no mesmo dia em que visitei seu blog, perdi meu emprego.... talvez agora eu consiga continuar em busca da minha vida. Por mais duro que isso seja... Abração, Fred!! :-)

Anônimo disse...

Sabe o que significa o conceito indivíduo???? Duplo indivisível. Perfeitamente inquebrantável.

Por isso que são tantas as buscas.

Beijão, aguardo mais textos e seu livro de poesia... pra eu distribuir aqui no Rio...

Aninha!!!!!!!!!!!!!!!!! disse...

a anonima sou eu, aninha, soooorry